domingo, 22 de setembro de 2013

terça-feira, 16 de julho de 2013

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Nova edição

É com enorme, espesso, pulsante, frondoso, facialmente estapeante prazer que relanço para vocês, cyber-surfistas da interwebs e de toda a Miguxolândia Orkutofederativa (ex-Brasil), o Corpúsculo num Plano em miguxês. Fruto ímpio e francamente repulsivo de minhas torturadas, graves introspecções beletristas de soturno homme de lettres, o livro está disponível em pdf nesse link. Admito que, conquanto proclive ao miguxo arcaico, findei optando pelo miguxo contemporâneo; estoutro, a meu ver, penetra de modo mais completo e lubrificado no zeitgeist cu-toral do novo leitor facebookiano.

Confira, serelepe e festivo, logo abaixo, um seboso excerto do retro-arrolado certame, e acaso lhe acosse como uma velha e resiliente oxiurose ou icterícia medicamentosa a temeridade de lê-lo em papel, no velho português deficitário em gala esofágica, o livro tangível pode ser comprado aqui, ou roubado do pé das portas que tem ajudado liricamente a escorar:

"kUm TOdah a SUAH TenDEnciaH A aGluTINAXXaUM HIeRArkICAh...EStrutuRAU...MSm U joGU DAh HumAnIdaDi APrEsentAh fAlhaxXx; LaCunAxXx eSPOradicaxXx NaH redI UbIkaH DI KOnexXxoexXx socIaixXx...ondi ExXxPErIMEnTaMuxXx exXxIsti Forah DAH ebUliXXauM antROpIcah...Em aUtoXXUfICiEnciAh...... vUxXxe podI TAH numAH RodOviARIah...Alem Du ExXxPeDiEntI NOrmAU; NuM klUbe DISeRtu; NU EsTaCioNaMENtu Di 1 dRiVi-in; TaRdI dAH nOitI...nUMaH EstaXXaum eNTRe sauM PAUlU I riu DI jANEiRu...iNSulAdAh PoR PradariaxXx sEm fiM...... EH komU TAH MorTU...... a seNsAXXAUM eH Di cERTU aLIviU...deVi-SI admITI...... eNfIM...nauM eh TaUm gravi...... U dIah KOMeXXAh A amaNHecE nU intErIor......"

"GoREti SI voLtaH i ME vE...... nAuM mE KUMprimeNTah; kontInuU a sIguI-LAh...SeM moTivu...... UxXx pRediUxXx formAm padROExXx MonoToNUxXx KONtRAh U Ceu...VAziu dI NUvenxXx...... FiCAmuxXx ALgunxXx MInUTUxXx NiXXU...I kOMEXXah a sE EMBaRaXXOSu; resOlvU xXxAMaH-lAH......

- GoRETI!!!!! – gRitU...aCEnAnU......

GOreti PArAh nAH EsKinAh I sI VOLTaH...... vow Me AproxXximAnU PeLah kalXXADah......

- oi.................. I eNTAuM??!?!..................vUxXxe..................??!?! – NAuM ME ocORRe NadAh...... – ..................TudU bem??!?!

elAH Ri KONSTRaNGIdAH i fAlaH SEKencIAxXx rapiDaxXx DI KOisINHAxXx...Ki nAUm SAuM Bem pALaVrAxXx......

- tAH fazENu U KE??!?!

"A imaGi dah ViaH laCTeAh eH paRTicuLArmEntI REiNCiDEnti; a GaLAxXxiAH espIrALAnu Em SILEnCiu Prah dentru Di sI Msm; esCoANU pRAH akeLE BuRacu negRU nU ceNTrU...PaRadeENHU laH komU 1 bocaH sEm faci...inUmanAh I PaciENTI...... A rAdIaXXaUM inviSiVEu OCuPaH I ENvEnEnaH u VAcUu...elimInanu A poXXIBiLIdAdI DI VidAH......"

quarta-feira, 5 de junho de 2013

Experimentando com colagem para o encarte do Fricção de DMingus. De minha parte, contribuí irreversivelmente para as músicas "Naturalmente punks", "Autossabotagem" e "Estrela do oriente" com uns coraizinhos e synths e colagens sonoras.

segunda-feira, 3 de junho de 2013

Philip e John

- Olhe ao redor, John. É abril, o mês mais cruel.
- Sim... Tergiverso, mas cuidado, Philip. Há algumas balas vindo em nossa direção.

Explosões e estilhaços.

- Apenas torna mais clara minha asserção inicial.
- Não há moralidade aqui... É o zeitgeist.
- John, há muitos corpos ao redor; é como se estivéssemos na guerra. Será difícil achar espaço nesse dormitório topologicamente irregular.
- Refere-se, sumariamente, ao mundo?

John é estapeado no rosto.

- Prepóstero. Não dormiria lá, por nada nesse mundo. Desconchavo! Insinuar que faço esse tipo configura atitude indigna de você, John, velho comparte cuja conveniência narrativa é meramente circunstancial. Há pouco ou nenhum controle de pragas lá. Ratazanas, aranhas... até leões.
- Deus não abriria um dormitório, Philip, a menos que fosse propriamente dedetizado, estou certo – retira um cigarro e, fazendo uma concha com a mão, o acende – Não vejo nenhum melhor aqui, de qualquer forma.
- Pergunto-me se indulgenciará uma breve digressão, em momento decisivo de vossa linha argumentativa, John.
- Indaga-se, com efeito? Pois bem. Felizmente, Philip, ao enunciar a si mesmo a questão que, em seu imo, o aflige, pude ouvi-la outrossim. E apenas para adicionar à felicidade anterior, julgo-me mais apto que vós a respondê-la, pois sou eu, John, e não vós, Philip, aquele sobre cujo juízo vossa proposição deriva em incertezas.
- Foi apenas um modo de dizer, John, mas exulto que o tenha ouvido. Meu ensejo outro não era, senão expressar que vossos cachos, de desirmanado rútilo, aleitam-se sobre vossa fronte numa conformação tal que, em mim, produz duradoira serenidade, em tempos de incerteza sociologicamente unânime.
- Atribui, pois, ao suave e – ouso dizê-lo? – barroco encaracolar dos meus cabelos, um antinômico peso fundacionista, em um paradigma cultural de resto niilista?
- Tomo-o com efeito, John, por um crivo kantiano; uma pedra-de-toque para a certeza. Mas veja, aviões liberando cargas explosivas.
- Poderiam danificar as árvores.

Ouve-se um assobio. Explosões. São atirados a alguns metros de distância.

- Lá, os arbustos. Estão danificados, John, conforme temia. Note, em particular, este ramo.

Philip exibe um ramo, parcialmente queimado.

- Nada garante, todavia – observa John – que os responsáveis não retornarão para o replantio.
- Já vão quase ao horizonte, John, e até o momento, não manifestaram qualquer intenção de retornar.

Philip é baleado e cai.

- Estamos na guerra, Philip; parece-me semanticamente seguro afirmá-lo.
- Morda-me se eu estiver louco, John, mas acho que está certo. Quanto independe, quer-me parecer, da orientação semântica presumida, seja correspondencialista ou contextualista.
- Bummer.

quinta-feira, 30 de maio de 2013

terça-feira, 2 de abril de 2013

Colocando as músicas no soundcloud; são coisas em processo. Porque sou autoconsciente cantando na língua pátria, e posto que foda-se, recorrerei ao subterfúgio do vil e repugnante anglicismo imperialista com alarmante frequência, ao menos até adquirir idêntica fluência no catalão ou língua-do-pê.

Nile Fever

Can you see how it's covered in birds
And it's coming for me
I may shoot at the dark

Well, no tooth has been spent on these cards
We're bargaining the meat
One should plead to the lizards

It comes to spineless digressions
Leaving for carbonized scapes
Someone may convey the colors of
Shoulders we sunk in the Nile

And I see how you're covered in wolves
Is it coming for me?
Shall I throw him a dime?

Is that grace, in your celibate limbs?
Let us speak of the plans
You sunk in the Nile

It brought us fever and wonders
And fangs on a belly that sours
Sums up to kinky decepcions
Hummers will burn out this town

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Amigos, que a graça de Príapus e Buceus vos acompanhe nesse 2013, conforme o caso, credo ou azar, e só ventura recaia sobre os teus, carcinomatosos à parte, caso em que a mera sobrevivência já configurará lucro. É com a mais sincera ventosidade, e a bênção de Eolos - de intangível glória -, que recebo a dádiva de um novo ano, parecendo-me apropriado honrar um recomeço anual com meu término anal, e assim me despedir de 2012, um adendo apenas satisfatório à História quanto à contagem de corpos, mas desirmanado no quesito do coleguismo congratulatório, o que compensa as coisas. Reconheçamos todavia meus fiéis amigos, que não seria possível clicar em aprovação à frivolidade alheia não nos houvessem legado, nossos predecessores moralmente inferiores, a montanha de corpos sobre a qual apoiar nossos laptops. É pois com serelepe entusiasmo, além de pequenos gritinhos de júbilo, que comemoro a próxima nota de marginália na monótona sucessão de baços volantes da História, essa pequena licenciosidade dos cuzões (indulgenciemos; é que às vezes ficam meio entediados). Um feliz 2013, seus lindos!